Archive for the ‘Judô’ Category

Daniel Hernandes enfrenta os melhores judocas do mundo no Azerbaijão

janeiro 7, 2011

Daniel Hernandes parte para Baku, no Azerbaijão, nesta segunda-feira (10/1) em busca de mais pontos no ranking mundial, que vai definir os judocas para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. No domingo (16/1), o atleta da Equipe Banco Cruzeiro do Sul entra no tatame para a disputa do World Masters, que reúne apenas os 16 primeiros da classificação em cada categoria olímpica e é a competição internacional que mais distribui pontos no ranking depois de Olimpíadas e Mundial.

Por causa do Masters, o judoca, da categoria pesado (+100 kg), 14º do ranking mundial, teve de permanecer em atividade mesmo no período das festas de fim de ano. Depois de conquistar a medalha de prata no Grand Prix de Qingdao, na China, no dia 18 de dezembro, Daniel teve pouco tempo de descanso no retorno ao Brasil. “Voltei a treinar já no dia 23, para me preparar para a competição em Baku”, conta Daniel. “Foi complicado encontrar com quem treinar, muitos atletas estavam viajando, mas vale qualquer sacrifício para me manter em atividade.”

“Em Baku vão estar apenas os melhores do mundo”, prossegue o judoca. “Em competição assim não dá para escolher adversário, quem vier vai ser chumbo grosso”, reconhece. “Como o egípcio (Islam el Shehaby) que ganhou o ouro no GP de Qingdao, na China, que eu não cheguei a enfrentar na decisão porque machuquei o cotovelo na semifinal (contra o também brasileiro Rafael Silva). Eu já lutei duas vezes com esse egípcio. Ganhei em Paris, em 2003, e perdi na Espanha, em 2008.”

A cirurgia para reconstrução do tendão do ombro esquerdo, em junho do ano passado, já ficou para trás. “Estou totalmente recuperado”, afirma Daniel. “O ombro não incomoda mais, me sinto bem e confiante para seguir na luta pelo sonho olímpico.”

No World Masters, a medalha de ouro vale 400 pontos no ranking mundial. A prata garante 240 pontos na classificação e a de bronze, 160 pontos. “Este ano, entramos na reta final para Londres e cada ponto é importante”, diz Daniel. “Em maio, caem 50% dos pontos do ranking. A partir daí (e até abril de 2012), tudo o que for somado será usado para definir os 22 judocas de cada categoria que vão disputar a Olimpíada. Sou o 14º do ranking dos pesados e o brasileiro mais bem classificado. Quero estar entre eles.”

Daniel Hernandes é atleta do Clube Pinheiros e também faz parte da equipe do Banco Cruzeiro do Sul.

Anúncios

Daniel Hernandes é prata no Grand Prix de Qingdao

dezembro 18, 2010

Cinco meses depois de passar por cirurgia no ombro esquerdo para corrigir rompimento de tendão, o judoca Daniel Hernandes, da Equipe Banco Cruzeiro do Sul, volta ao pódio de uma competição internacional. Neste sábado (18/12), Daniel, da categoria pesado (+100 kg), conquistou a medalha de prata no Grand Prix de Qingdao, na China, e voltou a somar pontos no ranking mundial, que vai definir os judocas para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

“Estou muito feliz”, disse Daniel. “A medalha me dá confiança para continuar lutando por meu sonho olímpico. Em janeiro tem o Masters, no Azerbaijão (dias 15 e 16, em Baku), com os 16 primeiros do ranking. Quero muito participar e, para isso, tenho de ficar entre os 16 primeiros da minha categoria.” Pelo ranking divulgado em 13 de dezembro pela Federação Internacional de Judô, Daniel aparece em 17º lugar, com 414 pontos. Com a prata no Grand Prix, vai somar mais 120 pontos na classificação.

Para chegar à prata no Grand Prix na China, Daniel passou na estreia pelo holandês Luuk Verbij, por ippon. Na semifinal, derrotou outro brasileiro, Rafael Silva, também por ippon. Na decisão do ouro, acabou perdendo do egípcio Islam El Shehaby, bronze no Mundial de Tóquio 2010, por ippon.

“Mesmo depois de todo esse tempo parado, estou em 17º lugar no ranking mundial, entre os 22 judocas que vão à Olimpíada, e sou o brasileiro mais bem ranqueado da minha categoria”, diz o judoca. “Vida de atleta é assim mesmo: cai e levanta a toda hora. Eu não desisto, não. Meu sonho olímpico continua de pé e vou fazer de tudo para torná-lo realidade.”

Daniel Hernandes é atleta do Clube Pinheiros e também faz parte da equipe do Banco Cruzeiro do Sul.

Daniel Hernandes parte para a Ásia sonhando com Londres/2012

novembro 29, 2010

Daniel Hernandes, da Equipe Banco Cruzeiro do Sul, embarca nesta terça-feira para a Ásia em busca de pontos no ranking mundial, que vai definir os judocas para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Em junho, Daniel, da categoria pesado (+ 100kg), teve de passar por cirurgia para corrigir rompimento de tendão do ombro esquerdo, sofrido na etapa de São Paulo da Copa do Mundo de Judô.

Ficou afastado dos tatames por cerca de cinco meses e só voltou a lutar no último dia 20, em São Paulo, no Beneméritos, campeonato por equipes em que venceu seus três adversários por ippon e ajudou o Pinheiros a derrotar o Minas Tênis Clube. Para Daniel, o torneio serviu para “quebrar o gelo” depois de tanto tempo sem lutar, já pensando nas competições que vai disputar na Ásia.

“Enfrentei um ritmo bem forte no Beneméritos e o ombro está ótimo”, diz Daniel. “Deu para sentir toda a adrenalina de uma competição. O treinamento que tinha feito no Rio na semana anterior ao torneio, com os seis melhores pesados do Brasil, e o fato de ter voltado a lutar me dão confiança para as competições internacionais.”

O primeiro desafio de Daniel na Ásia será a etapa da Copa do Mundo da Coreia, em Suwon, dias 3 e 4 de dezembro. Em seguida, vai disputar o Grand Slam de Tóquio, de 11 a 13, e o Grand Prix da China, dias 17 e 18. “Estou bem treinado, confiante. A velocidade no ritmo de luta aumentou e quero competir o mais que puder agora que estou voltando”, afirma o judoca.

“Sei que o nível lá fora é alto. Mas vou para somar o maior número possível de pontos, fazer o maior número de lutas que eu puder. Meu sonho olímpico está de pé e vou fazer de tudo para torná-lo realidade”, garante Daniel, que já traça planos para 2011. “Em janeiro tem o Masters, no Azerbaijão (dias 15 e 16, em Baku), com os 16 primeiros do ranking. Quero muito participar e, para isso, tenho de ficar entre os 16 primeiros da minha categoria.” Pelo ranking divulgado no dia 25 pela Federação Internacional de Judô, Daniel ocupa a 16ª posição entre os pesados.

Na Copa do Mundo, a medalha de ouro significa 100 pontos; a de prata, 60; e a de bronze, 40. No Grand Slam, 300 (ouro), 180 (prata) e 120 (bronze). No Grand Prix, 200 (ouro), 120 (prata) e 80 (bronze).

Daniel Hernandes é atleta do Clube Pinheiros e também faz parte da equipe do Banco Cruzeiro do Sul.

Daniel Hernandes retoma lutas para ganhar ritmo e confiança

novembro 20, 2010

O judoca Daniel Hernandes, da Equipe Banco Cruzeiro do Sul, voltou a lutar, neste sábado (20/11), cinco meses depois de passar por cirurgia no ombro esquerdo para corrigir rompimento de tendão, e ajudou o Pinheiros a vencer o Minas Tênis na final do torneio por equipes Beneméritos, no Clube Juventus, em São Paulo. Daniel disse que lutou para ‘quebrar o gelo’ visando o desafio que tem pela frente: lutar por pontos no ranking que vai definir os judocas para os Jogos Olímpicos de Londres/2012.

Daniel seguirá para a Ásia no dia 29. No início de dezembro (dias 3 e 4) tem a etapa da Copa do Mundo na Coreia, em Suwon. De 11 a 13, o Grand Slam de Tóquio e, logo em seguida, o Grand Prix da China (dias 17 e 18), em Qingdao. “Sei que o nível que vou encontrar lá fora é alto. Mas vou para somar o maior número de pontos possível, fazer o maior número de lutas que eu puder”, afirmou Daniel, judoca da categoria peso pesado (+ 100kg).

Na competição por clubes Daniel lutou três vezes pelo Pinheiros e venceu todos os combates por ippon. “Deu para sentir a adrenalina da competição, quebrar o gelo depois de cinco meses sem lutar. Não parece, mas eu vim de uma cirurgia e pode ficar aquele receio de cair em cima do ombro. O treinamento que fiz na semana passada com os seis melhores pesados do País (no Rio, com a seleção brasileira, sob a supervisão do técnico Luiz Shinohara) e o fato de ter voltado a lutar são coisas que me dão confiança para as competições internacionais”, avaliou Daniel.

O judoca ocupa o 16º lugar no ranking mundial, entre os 22 atletas que vão à Olimpíada, apesar de ter ficado parado, mas sempre afirma que não desiste de ir à Londres. “Meu sonho olímpico está de pé e vou fazer de tudo para torná-lo realidade.”

Daniel Hernandes é atleta do Clube Pinheiros e também faz parte da equipe do Banco Cruzeiro do Sul.

Daniel Hernandes volta a competir após cirurgia

novembro 19, 2010

Cinco meses depois de passar por cirurgia no ombro esquerdo para corrigir rompimento de tendão, o judoca Daniel Hernandes, da Equipe Banco Cruzeiro do Sul, volta a competir. O retorno será neste sábado, no Campeonato Beneméritos, no Clube Juventus, em São Paulo, a partir das 13 horas. No torneio, por equipes, Daniel vai defender o Pinheiros. “Vou participar para ganhar ritmo. Eu e meu técnico (Mauro Oliveira) achamos que seria bom para quebrar o gelo”, diz.

O judoca passou esta semana no Rio de Janeiro, participando de um treinamento apenas para pesos pesados (+ 100kg), sob a supervisão de Luiz Shinohara, técnico da seleção brasileira. “Foi bem interessante”, avalia Daniel. “É muito diferente treinar só com pesados. Até o lugar do quimono que você tem de pegar muda quando se treina com alguém de uma categoria mais leve. E os clubes, normalmente, não têm tantos pesados assim”, prossegue. “Foram trocas de experiências, identificando as dificuldades que cada um enfrenta para poder corrigi-las e facilitar a obtenção de bons resultados.”

Daniel afirma que não sentiu nenhum problema no ombro operado. “Cheguei a me surpreender, porque comecei a treinar mais duro há umas três semanas e lá no Rio, só entre pesados, vi que estou mais forte do que esperava. Estou muito contente”, diz o judoca, que no dia a dia segue com o trabalho de fisioterapia e fortalecimento do ombro.

No dia 29, Daniel Hernandes viaja para a Ásia, onde vai retomar a luta por pontos no ranking que vai definir os judocas para os Jogos de Londres, em 2012. “No início de dezembro (dias 3 e 4)tem a etapa da Copa do Mundo na Coreia, em Suwon. De 11 a 13, o Grand Slam de Tóquio e, logo em seguida, o Grand Prix da China (dias 17 e 18), em Qingdao”, enumera.

“Mesmo depois de todo esse tempo parado, estou em 16º lugar no ranking mundial, entre os 22 judocas que vão à Olimpíada, e sou o brasileiro mais bem ranqueado da minha categoria”, diz o judoca. “Vida de atleta é assim mesmo: cai e levanta a toda hora. Eu não desisto, não. Meu sonho olímpico continua de pé e vou fazer de tudo para torná-lo realidade.”

Daniel Hernandes é atleta do Clube Pinheiros e também faz parte da equipe do Banco Cruzeiro do Sul.

 

Quebrando o gelo

novembro 16, 2010

Estou no Rio de Janeiro, treinando com a seleção de pesos pesados. A ideia é muito interessante: tentar acertar alguns detalhes de competição, para, enfim, chegar a um grande resultado. O treinamento só com pesados é muito bom, mais próximo da realidade de um campeonato. Os clubes não têm tantos pesados juntos e é sempre importante buscar os detalhes que podem fazer a diferença.

Os treinos começaram nesta segunda-feira. Estava com medo de o ombro ainda não estar bom depois da cirurgia, mas me senti muito bem. É isso que estou fazendo: buscando melhorar a cada dia para chegar às competições do fim do ano o mais próximo possível de minha melhor forma física e técnica.

No próximo sábado, dia 20, devo disputar uma competição por equipes em São Paulo, o Campeonato Beneméritos, para ganhar ritmo. Eu e meu técnico achamos importante participar, vai ser bom para quebrar o gelo.

No dia 29, viajo para Ásia. No início de dezembro tem a etapa da Copa do Mundo na Coreia, em Suwon. Depois, o Grand Slam de Tóquio e, logo em seguida, o Grand Prix da China. Fico muito feliz de estar voltando a competir, ainda mais em disputas de alto nível como essas, e poder somar de novo pontos para o ranking.

Daniel Hernandes

Adeus, até logo e obrigada

novembro 12, 2010

Danielle Zangrando se despediu oficialmente dos tatames nos Jogos Abertos do Interior, em Santos, no último dia 5 de novembro. A judoca começou a inscrever o nome na história do esporte nacional em 1995, quando, aos 16 anos, se tornou a primeira brasileira da história do judô nacional a conquistar uma medalha em um Mundial adulto, no Japão – foi bronze.

Emocionada, Danielle relembra todo o apoio que recebeu ao longo da carreira:

Agradeço à minha família e ao meu marido, que sempre me incentivaram e estiveram ao meu lado nas vitórias e nas derrotas. Aos meus patrocinadores, Banco Cruzeiro do Sul, Vértice, Prefeitura de Santos que me proporcionaram uma carreira mais longa e tranquila.

Aos meus técnicos, Paulo Duarte, Ivo Nascimento, Rogério Sampaio, Marcos Daud, Joaquim Viegas, Fernando Terras, Rosicleia Campos, e aos meus parceiros de treino, pois não conquistaria nada sozinha.

Aos meus médicos, Wagner Castropil, Catena, Henrique Cabrita e aos fisioterapeutas Filé, Roberta Mattar e Fabio Miniti, que aliviaram as minhas dores durante esses 25 anos.

À Unisanta e à Unimes, que me deram a oportunidade de ter uma carreira profissional para seguir agora, tanto no Direito como no Jornalismo.

Ao meu chefe, Eduardo Silva, e à TV Tribuna, que me abriram as portas para dar início à minha carreira como jornalista. À Confederação Brasileira de Judô, que acreditou e confiou no meu trabalho.

Aos meus adversários, que me ensinaram a superar obstáculos, a treinar mais, e me ajudaram a crescer como atleta e como pessoa.

E, por fim, aos meus fãs e a todos os santistas, que sempre torceram por mim e até hoje me tratam com muito carinho.

Quero deixar claro que continuarei trabalhando para o crescimento do meu esporte por meio de projetos sociais de que participo efetivamente.

Obrigada,

Danielle Zangrando

 

Danielle Zangrando encerra carreira vitoriosa

novembro 4, 2010

Os Jogos Abertos do Interior de 2010, em Santos, vão marcar a despedida de uma atleta vitoriosa. A judoca Danielle Zangrando, da Equipe Banco Cruzeiro do Sul, vai encerrar oficialmente a carreira nesta sexta-feira (5/11), às 12 horas, no Ginásio do Sesc (Rua Conselheiro Ribas, 136), em Santos, durante o torneio de judô dos Jogos.

Danielle já havia planejado se despedir este ano, mas imaginava subir ao tatame de quimono, para uma última luta. A gravidez de Lara, que nasceu no último dia 16 de outubro, alterou a programação. A judoca parou de lutar e treinar em maio, mas não abandonou o esporte.

“Continuei minhas ações sociais, levando a filosofia do judô a instituições e escolas, continuei a dar palestras e a trabalhar como comentarista de TV nas competições”, diz a ex-atleta, que agora terá mais tempo livre para se dedicar a essas atividades. “Vou tentar devolver um pouco do que o judô me deu. Para 2011, por exemplo, pretendo ter um projeto social meu em Santos, junto com um amigo.”

Emocionada, Danielle relembra todo o apoio que recebeu ao longo da carreira. “Agradeço à minha família e ao meu marido, que sempre me incentivaram e estiveram ao meu lado nas vitórias e nas derrotas. Aos meus patrocinadores, que me proporcionaram uma carreira mais longa e tranquila. Aos meus técnicos e parceiros de treino, pois sem eles não conquistaria nada. E aos meus adversários, que me ensinaram a superar obstáculos, a treinar mais e me ajudaram crescer como atleta e como pessoa.”

Carreira: Danielle Zangrando começou a inscrever o nome na história do esporte nacional em 1995. Com apenas 16 anos, tornou-se a primeira brasileira da história do judô brasileiro a conquistar uma medalha em um Mundial adulto, no Japão, em 1995, quando ficou com o bronze.

No mesmo ano, também foi bronze nos Jogos Pan-Americanos de Mar Del Plata, na Argentina. Em 1999, em Winnipeg, conquistou mais uma medalha de bronze em Pan-Americanos. Oito anos depois, em 2007, Danielle sagrou-se campeã dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro.

Entre outras conquistas, Danielle foi duas vezes vice-campeã mundial júnior (Portugal/96 e Colômbia/98), tricampeã sul-americana, medalha de bronze no Grand Slam de Paris (2004), campeã pan-americana (2004), três vezes vice-campeã pan-americana (2006, 2007 e 2008), tricampeã brasileira, hexacampeã paulista e pentacampeã dos Jogos Abertos do Interior. Danielle também foi a duas Olimpíadas: Atlanta/96 e Atenas/2004, em que terminou na nona colocação.

Danielle Zangrando integra a Equipe Banco Cruzeiro do Sul.

Novas emoções no revezamento de tocha dos Jogos Abertos

outubro 27, 2010

Hoje (27/10) foi o dia do revezamento da tocha dos Jogos Abertos do Interior, que serão realizados em Santos a partir do dia 5 de novembro.

Em 2007, conduzi a tocha Pan-Americana que passou por inúmeras cidades. Recebi-a num dos principais pontos turísticos de Santos, o Aquário Municipal, onde estavam mais de 5 mil pessoas. Foi uma emoção indescritível.

Hoje revivi esse momento com a tocha dos Jogos Abertos. Fui escolhida para ser a primeira atleta a receber a tocha das mãos do Prefeito da cidade, João Paulo Tavares Papa, no mesmo local, o Aquário Municipal de Santos. Muitas crianças e adultos prestigiaram o momento.

Fiquei muito feliz e honrada por participar desta festa tão importante para o esporte e para minha cidade. Quero agradecer a todos os santistas que mandaram mensagem de carinho durante o percurso que fiz.

Agora, vamos comparecer aos ginásios durante os 15 dias de competição para torcer por nossos atletas e ajudar a cidade de Santos a ser campeã.

Hoje à noite ainda vou participar da inauguração do Ginásio Municipal de Esportes na Vila Mathias, com a presença do governador eleito Geraldo Alckmin.

Projeto Cidadão: Hoje também participei do encerramento do Projeto Cidadão, do qual virei personagem de história em quadrinho, distribuída a todas as crianças da rede municipal de Santos, como narradora da história dos Jogos Abertos.

Despedida: Como vocês sabem, os Jogos Abertos seriam minha última competição como atleta, mas, com o nascimento da minha filha, Lara, que hoje está com 11 dias, não poderei competir.

Portanto, no dia 5 de novembro farei minha despedida simbólica dos tatames. Será uma cerimônia durante a competição de judô, que será realizada no Sesc de Santos, com a presença de muitos atletas, crianças e autoridades.

Um abraço,

Danielle Zangrando

 

Feliz aniversário, Pelé!

outubro 22, 2010

O Rei do Futebol completará 70 anos amanhã (23/10) e, para homenagear o maior ídolo do futebol mundial, Neymar foi o escolhido para usar a camisa de número 70 na partida de domingo pelo Campeonato Brasileiro, entre Santos e Grêmio Prudente, na Vila Belmiro.

Moro em Santos e nunca tinha visto o Pelé pessoalmente até que um dia, voltando do Campeonato Mundial de Judô em 1999, encontrei-o na fila do free shop. Como eram 6 horas da manhã, fiquei sem graça de pedir para tirar uma foto. Me arrependi profundamente, pois tinha perdido a oportunidade de ter uma recordação do Rei do Futebol. Mas alguma coisa me dizia que ainda teria outra chance. E tive. 

Trabalho como repórter na TV Tribuna de Santos (afiliada da Globo) e, um dia, meu chefe me mandou fazer uma matéria no campo do Jabaquara – havia a possibilidade de o Pelé aparecer por lá. 

Cheguei ao campo, fiz as entrevistas com os jogadores e, quando estava conversando com Manoel Maria, ex- jogador do Santos e amigo de Pelé, o celular dele tocou. Do outro lado da linha era o Rei, avisando que estava chegando. 

Fiquei ansiosa, pois, quando se tem um ídolo, todo fã cria uma expectativa para o momento do encontro. Claro que comigo não foi diferente. De longe, o vi entrar pela porta de camisa preta, com o inseparável crucifixo de ouro sobre a camisa e um largo sorriso no rosto.

 Como só a nossa equipe estava lá e o Wagner Ioda, nosso câmera, estava sempre na cola do Rei, fomos recebidos com muita atenção. De cara, Pelé já virou nosso produtor e sugeriu o melhor ângulo da entrevista e a melhor luz. 

Durante a entrevista, respondeu a todas as perguntas de maneira objetiva. Assim que acabou a parte profissional, encarnei o lado fã e pedi para tirar uma foto – não poderia perder mais uma oportunidade. 

Ele brincou comigo, me deixou muito à vontade, mas, estar ao lado do maior ídolo do futebol me deixou sem palavras. Não consegui dizer nada do que pretendia. Fiquei totalmente muda e sem graça.

 Não tive a oportunidade de vê-lo jogar, mas posso garantir que, como ser humano, é incrível: simpático, carismático e, o mais importante, muito humilde. 

Não foi a única vez que vi Pelé atender as pessoas com muito carinho. Sempre que vou à Vila Belmiro, fico no camarote do meu amigo Luís Lordello, que é ao lado do de Pelé. Sempre que ele vai aos jogos, passa a maior parte do jogo autografando camisas dos fãs. Confesso que é emocionante ver o jogo do Santos, na Vila Belmiro, ao lado do Pelé. Ele tem uma aura iluminada e, por onde passa, irradia muita luz. 

Portanto, por tudo que ele representa para o nosso País, só temos a agradecer ao Pelé por ele ser o nosso maior representante e, ainda por cima, por ser santista. 

Parabéns, Pelé! Desejo a você um feliz aniversário, com muita saúde, e, se for possível, mil anos. 

Danielle Zangrando